Blog

Preview doctor-PMPVNL3

8 segredos da Gestão Financeira para o Profissional da Saúde

Apesar de parecer que não, o profissional de saúde também precisa de ótima administração financeira, planejamento e organização para guiar a carreira. Respeitando as peculiaridades de suas atividades, o profissional da saúde deve fazer uma gestão financeira que lhe permita crescer na profissão e até montar uma empresa, caso queira.

Confira, no artigo de hoje, alguns bons segredos de gestão financeira para o profissional de saúde e aplique-as o quanto antes!

FORMAÇÃO NA ÁREA FINANCEIRA

Procurar formação na área de gestão financeira é um investimento que só vai contribuir para que a pessoa se desenvolva profissionalmente, agregando valor ao seu currículo e à sua imagem. Ao aperfeiçoar-se na área financeira, o profissional de saúde vai aprender estratégias eficazes para gerir suas finanças, evitando perdas e direcionando melhor os próprios recursos.

É importante ler bastante sobre o assunto, fazer cursos específicos, pesquisar em sites e atualizar-se continuamente, principalmente no tocante às novas ferramentas digitais de gestão financeira, que otimizam tempo e custos.

PLANEJAMENTO

Gestão financeira implica em planejamento, na elaboração de estratégias, de objetivos e de metas bem definidas. Os objetivos devem ser divididos em gerais e específicos: os primeiros referem-se a planos mais duradouros, ou até mesmo permanentes.

Os específicos, por sua vez, são limitados a determinados prazos. Todo o planejamento deve envolver planos operacionais relacionados às atividades a serem efetuadas — tudo deve ser bem direcionado conforme alvos, prazos e responsabilidades.

ORGANIZAÇÃO DOS DOCUMENTOS

A burocracia sempre existe, em maior ou menor nível, mas ela está sempre presente. São documentos relativos a imóveis comprados ou alugados, contratos, faturas, boletos, notas fiscais, comprovantes de pagamento, documentos do profissional, dos pacientes e dos funcionários, receitas, requisições e muitos outros.

Organize tudo adequadamente em pastas e arquivos físicos e/ou em sistemas. Uma forma de se prevenir contra possíveis perdas é tirar cópias e digitalizar os documentos mais importantes, armazenando-os dentro do sistema (bem separados em pastas, guardados em locais adequados do disco rígido — ou da nuvem — e protegidos através de backups automáticos e antí-virus).

CONTROLE MENSAL

Para confirmar que todas as estratégias estão sendo corretamente aplicadas, o profissional de saúde deve realizar um controle mensal de suas finanças. O controle mensal é uma forma de avaliar se os recursos estão sendo realmente direcionados para as finalidades planejadas e se estão sendo obtidos os resultados esperados.

Para um controle mensal eficiente recomenda-se o uso de sistemas automatizados de gestão financeira, que vão facilitar a identificação de falhas e desvios nas metas e estratégias. Eles também fornecerão métricas e indicadores, que vão facilitar as comparações e a análise dos resultados, permitindo melhor tomada de decisões (sejam elas medidas corretivas ou preventivas, melhorias suaves ou mudanças drásticas).

CLASSIFICAÇÃO DOS GASTOS

A melhor maneira de controlar gastos é classificá-los corretamente, pois assim será possível avaliar a importância de cada um, suprimir os desnecessários e saber exatamente a destinação deles. Não existe uma classificação rígida para os gastos, isso vai depender dos objetivos definidos no planejamento.

No entanto, separe-os em gastos fixos e eventuais. Entre os primeiros estão os gastos relativos a serviços de água, luz, telefone, internet, funcionários, máquinas, material de trabalho, aluguel.

Os eventuais podem estar relacionados a objetivos mais específicos, como a preparação para um curso ou as mensalidades pagas por uma especialização, gastos relacionados a investimentos ou empréstimos e despesas pessoais em geral. Separe tudo de modo a favorecer sua análise.

CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA

Aproveitando a dica anterior, vale falar sobre o controle do fluxo de caixa, indispensável para qualquer profissional. O fluxo de caixa é uma ferramenta fundamental para a realização do planejamento e, além de custos, ele envolve também os lucros.

O caixa sempre terá débitos a pagar e créditos a receber — uma vez que, mesmo na área de saúde, aceitar o pagamento a prazo tornou-se necessário. Dessa forma, o controle correto do fluxo de caixa deve considerar:

  • Contas pagas à vista e contas a pagar (fornecedores; serviços utilizados, como transporte, água, luz, telefone do consultório; eventuais empréstimos; aluguel de imóveis ou máquinas e assim por diante);
  • Pagamento de funcionários;
  • Contas recebidas à vista e contas a receber (relacionados aos pacientes que procuram o atendimento do profissional);
  • Rendimentos originados de outras fontes (como investimentos e outras aplicações);
  • Saldo em conta (se o profissional tiver uma conta destinada exclusivamente ao negócio será bem melhor para o controle);
  • Patrimônio (tudo que envolve o negócio do profissional de saúde).

Novamente, vale lembrar a importância de utilizar um software para gerenciar o fluxo de caixa com mais precisão e menos possibilidades de enganos.

SEPARAÇÃO DE CONTAS PESSOAIS E PROFISSIONAIS

Essa dica vale ser considerada individualmente, apesar de estar muito ligada ao controle do fluxo de caixa, pois são muitos os profissionais que misturam suas contas pessoais com as de sua profissão. Não importa se você trabalha em um consultório próprio ou alugado, se presta serviços em uma clinica ou hospital, ou se faz atendimento domiciliar.

Você sempre deve distinguir as finanças relacionadas ao seu trabalho daquelas privadas. Caso trabalhe como empregado você poderá até, na hora de classificar seus custos, separar uma área para seus custos pessoais, mas evite misturá-los com os gastos relativos à sua profissão.

PROJEÇÕES REALISTAS

Naturalmente, o planejamento elaborado pelo profissional de saúde deve contemplar projeções. Ou seja, visualizações do futuro. É importante que essas sejam projeções realistas, ainda que ambiciosas.

A partir de suas projeções, você poderá até tornar-se um grande empreendedor. Se você trabalha como funcionário em uma instituição, por exemplo, pode fazer projeções para, em um prazo máximo, abrir seu próprio consultório. Ou projetar a abertura de uma empresa voltada para a comercialização de produtos da área de saúde.

Toda nova projeção requer novos planos, estratégias, prazos e metas. A projeção é uma maneira eficaz de estimular a atividade profissional, a motivação pessoal, o amor ao que se faz, o aprendizado e o desenvolvimento da carreira.

Pense no futuro e esteja sempre atualizado, alimentando-se de expectativas reconfortantes. Entre as projeções, não se esqueça da aposentadoria para ter uma velhice segura e tranquila!

Faculdade IDE

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email